PES (AyA)

PES (AyA)
Pesquisas e Experiências Subjetivas Anarkia y Ayahuasca Entre Parênteses

LEGAL (julho 2008)

LEGAL

Um amigo e ex-assistente que reside nos EUA atualmente me questionou de eu estar me expondo com site na Internet divulgando o uso da ayahuasca. Esta questão levanta diversos pontos, seja no cruzamento político entre as minhas atitudes pessoais e uma legalidade que nos cerca no âmbito jurídico, seja no uso específico de uma substância que pode, na observação de alguns, ser considerada alucinógena e, por conseqüência, ilegal.

Deixo para outro momento a discussão mais ampla sobre meu comportamento pessoal e as leis brasileiras que me cercam. Mas quem pesquisar na própria Internet e em outros textos meus poderá ter uma idéia da questão.

Especificamente ao uso da AYAHUASCA, sei que:

1. A ONU (Organização das Nações Unidas) através da INCB (International Narcotics Control Board) afirma que não só a ayahuasca, bem como as espécies vegetais que a compõem, NÃO são objeto de controle internacional.

2. No Brasil, há uma legislação que protege o uso RELIGIOSO da ayahuasca, mas condena a utilização terapêutica, que deve ser vedada, até que se comprove sua eficiência por meio de pesquisas científicas realizadas por centros de pesquisa vinculados a instituições acadêmicas, obedecendo às metodologias científicas. Desse modo, o reconhecimento da legitimidade do uso terapêutico da Ayahuasca somente se dará após a conclusão de pesquisas que a comprovem.

Enfim, pode ser usada desde que sob o controle governamental, seja o governo decidindo o que é religião (e que religiões estão registradas, carimbadas e autorizadas - quem lembra/conhece plunct, plact, zum! de Raul Seixas), seja apenas por meio de centros de pesquisas e instituições acadêmicas autorizados, registrados e carimbados pelo governo.

Quem desejar conhecer os PES entrará em contato com nossa visão de mundo, que passa pela Biologia do Conhecer. Um dos impactos desta área do conhecimento no meu viver e ver a realidade é perceber que não existimos numa realidade, e sim vivemos numa série de descrições de realidade. Enfim, chamo isso de Teoria do Multiverso, que expande a visão convencional de que vivemos num Universo.

Nesse meu devir pessoal, sempre fui crítico as religiosidades, não às espiritualidades e crenças, mas contras as instituições e religiões. E com a pesquisa científica da Biologia do Conhecer descobri que TUDO, inclusive as metodologias e pesquisas científicas, não passam de crenças. Eu que era contra a religião, descobri que de certa maneira, a própria ciência e seus métodos são formas de religião.

Com essa desconstrução, busco não mais criticar as religiões, pois não só cada um possui o direito de escolher sua religião, bem como a própria escolha não deixa de ser um ato de fé da subjetividade humana. Prefiro a definição de O QUE È RELIGIÃO de Rubens Alves na Coleção Primeiros Passos, do que o Governo Brasileiro e o CONAD (Conselho Nacional Anti-Drogas) acham do que seja USO RELIGIOSO.

Posso brincar dizendo que meu uso da ayahuasca é religioso, pois religiosamente tomo ayahuasca mensalmente. Mas minha brincadeira principal tem sido VIVER BRINCANDO e essa realidade que crio pra mim e proponho com a SOMAIÊ, Te&So e agora com os PES, ou Ayahuasca no Rio Preto, não passa por esperar uma autorização de órgãos governamentais que decidam como devo viver minha realidade.

Assim, exponho aqui na net simplesmente o meu fluir, o meu viver, e convido outros a compartilhar essa realidade. Não vejo como isso possa ser prejudicial a alguém, pois trabalho com a liberdade de decisões individuais. Meu paradigma de uso terapêutico da ayahuasca se aproxima mais das experiências de Timothy Leary com LSD na Universidade de Havard, do que desse bla-bla-bla oficial acerca de cientificismo.

Pra quem não sabe: Leary no início da década de 1960 experimentou e pesquisou o uso da LSD para a expansão da mente. Na época, outros pesquisadores insistiam pra que Leary trabalhasse DENTRO DO SISTEMA. Suas mensagens era: "A sociedade permitiu a administração de drogas pelos profissionais médicos para a cura de doenças. Qualquer um que não seja médico e forneça ou tome drogas é um traficante ou um viciado. Jogue com o sistema. Use a profissão médica da mesma forma que Freud"."Seguindo a tradição das escolas esotéricas da Antiguidade, esses sábios e intelectuais também nos advertiram no sentido de que mantivéssemos o movimento num limite intelectual, elitista, e à parte da política e do público(...)". "A mensagem era clara. Vamos manter essa descoberta pra nós mesmos". "Não a torne pública, senão você atrairá a ira dos guardiões da sociedade." Leary, apoiado por Allen Ginsberg (conhecedor da ayahuasca), optaram nessa encruzilhada por DIFUNDIR e EXPLICITAR suas pesquisas. Curiosamente, o CONAD recomenda que os grupos religiosos constituam-se em organizações formais com pessoa jurídica, e considera que o ritual responsável é incompatível com a publicidade. Dessa forma, se considerarem que esse site é publicidade, podem considerar que o ritual dos PES não é responsável. Mas como também não sou pessoa jurídica, fica tudo no mesmo saco: posso ser considerado Alegal. (acho mais legal alegal que ilegal, pois não busco estar enquadrado nessa lei, simplesmente não aceito ela, ignoro essa legislação hipócrita)

Explicito isso aqui, pois como já mais que dito, penso numa outra forma de descrever a realidade, e viver meu universo de observador nesse multiverso que é a comunicação de descrições das percepções humanas. Assim, não espero uma autorização para fazer os PES, nem pra trilhar meu viver. Simplesmente vivo e explicito para quem deseje conhecer, experimentar essa possibilidade em seu viver. Sou terapeuta e não vivo dos PES, e sim de meus grupos de SOMAIÊ. Se os PES possui taxas, é que vivemos num capitalismo de mercado e preciso pagar o feitio e transporte da ayahuasca que coordeno. Não conheço e nem nunca participei de rituais do Santo Daime e da União do Vegetal, mas bebo e comungo a ayahuasca com quem trouxe a ayahuasca para o Estado de São Paulo há mais de 35 anos (muito antes de se falar em proibir a ayahuasca). Não me interessam essas religiões que usam a ayahuasca, pois não me interesso por nenhuma religião, mas agradeço a elas por existirem e criarem esse paradoxo para o governo de liberar uma droga poderosa e alucinógena, argumentando que se é ritual religioso tudo pode... Quem sabe não criamos uma religião que use a maconha (muito mais fraca que a ayahuasca, no meu perceber) pra evitarmos de ter que subornar policiais a toda hora pra não sermos novos Bichos-de-Sete-Cabeças, ou bodes expiatórios de uma política ultrapassada e reacionária, e ainda sem nenhum embasamento científico como eles tanto defendem..

Rui Takeguma, poção da Maromba, em 6 de julho de 2008

observação: curioso que um dos "mestres" dessas religiões ayahuasqueiras, o José Gabriel da Costa, foi capoeirista. E tanto a capoeira como o uso da ayahuasca pretendem ser tombados como Patrimônio Imaterial da Cultura Brasileira. Ampliando essa curiosidade, a capoeira já foi prática ilegal, e hoje é considerada o esporte nacional, inclusive representando a cultura brasileira nas Olimpíadas. Se a capoeira deixasse de ser praticada por ser ilegal não teria todo esse status, e nem chegaria aos dias de hoje.

Nenhum comentário:

Postar um comentário