PES (AyA)

PES (AyA)
Pesquisas e Experiências Subjetivas Anarkia y Ayahuasca Entre Parênteses

depoimento de 1ª vez ao beber o chá

sessão em Visconde de Mauá (Maromba), abril de 2015


"Pois é, já acostumado em ter muito sonhos lucidos e algumas projeções, ayahuasca foi bastante diferente, no começo achei bastante dificil de me acostumar, parecia que eu estava sendo puxado para ficar em um tipo de torpor, me deixava fraco e não me deixava de olhos abertos, ficava com uma respiração bem fraca. Nesse lugar aparecia muitas imagens com muitas cores ao mesmo tempo, mutando como um prisma, as imagens me lembravam bastante filmes de terror, mas nada que me fizesse ficar mal ou algo parecido. Estava lutando para tentar controlar o fluxo de informação que eu estava recebendo. Quando eu abria os olhos eu conseguia respirar mas logo era jogado para esse lugar. Nessa onda eu fiz muitos testes para saber como lidar, era como andar de bike sem rodinha pela primeira vez, toda hora caindo, mas até o momento que comecei prestar atenção nas singularidades dos padroes de fundo que formavam, era liquido como agua, foi o momento que eu consegui imaginar que eu estava dentro do mar e que teria que nadar para respirar. O momento que consegui ficar fora do mar as imagens comecaram a mudar de cor e de formas, não parecia mais filme de terror e sim algo bastante indigena com muitas cores verdes, azuis. Nesse momento eu conseguia fui para fora vomitar e foi o melhor vomito da minha vida hauahuahauha Quando estava no vomitando eu comecei a prestar atenção na minha pele, eu estava vendo minha mão toda escamada, uma escama com um verde bem escuro, e a minha volta eu via tudo com mais cores, tudo com mais som, mas logo fui voltando ao momento de ficar de olhos fechados, mas desta vez foi bastante diferente, uma grande caverna escura com uma pedra, como uma porta oval, toda entalhada com uma grande arvore dentro de um circulo e quando ela saiu do lugar parecia que fui transportado para um filme de fantasia, comecei a ver grandes criaturas todas feitas de pedra segurando grandes martelos de guerra tambem de pedra, todas esperando um sinal para pular em um penhasco para poder entrar em guerra com umas criaturas marinhas (Me parecia que era essa agua aonde eu estava bem no comeco), esse mundo todo me parecia que era um lugar de um conflito eterno, lembro muitas visões com o simbolo do infinito, me lembrava algo bastante primal, algo muito antigo, algo que sempre existiu e sempre iria existir, a simbologia para mim disso tudo era sempre o polo positivo criador contra o polo negativo destruidor, mas eles sempre guerriavam e entravam em perfeito equilibrio. Até chegaram me perguntar que tipo de guerreiro que eu era, se era um guerreiro primal ou um guerreiro lunar, lembro de responder algo que sempre respondo sobre bem e mal, "eu sou guerreiro cinza, nem positivo e nem negativo" nessa hora muitas cores mudaram e esse mundo foi comecando ficar distante e eu estava caindo na agua novamente. Ai comeca muitas coisas diferentes da primeira, muitas musicas tocando e muitas coisas aparentemente engraçadas mas nada aparentemente pertubador como antes, mas as cores eram bastante distintas, bastante vermelho, bastante amarelo, rosa, e cores mais agrecivas, ai foi um momento que ficou tudo cinza, e apareceu um ganesha amarelo com umas escamas negras em cima de uma flor de lotus usando um oculos escuros e na tromba estava segurando um cristal nessa hora a musica pareceia com aquele efeito desacelerando (tipo wowowowowowowo) ai foi a hora que ja estava mais normal, ai tirei foto e pegamos o carro. O resto foi uma mistura desses dois lugares que eu estive, esse lugar mais aquoso com aquele outro lugar com os guerreiros, a onda foi terminar muito depois mas quando ela terminou foi algo muito esquisito, foi uma quebra muito grande, aquela porta de pedra talhada uma arvore apareceu como um booommm para mim e ai tudo parou. Foi o momento que abri o olho e como uma nuvem de cores eu vi uma criatura sentada na lotos com 4 faces e quatro braços bem grande e foi sumindo e ai tudo terminou. Eu realmente nao lembro de ter visto a imagem de Trimurti, mas esses dias procurei deuses hindus e foi a mesma imagem. Uma coisa que tirei disso tudo é esse lance de nunca ficar parado, não aceitar as coisas passivamente, e sim tentar sempre ser um guerreiro em uma guerra sem fim para viver, fazer o melhor que conseguir. A minha ideia de ter tomado o chá foi puramente pesquisa, algo para explorar, gostei bastante do que vi, achei muito interessante, bem diferente de um sonho lucido ou de uma projeção. Na verdade bem diferente de tudo o que ja tinha sentido na minha vida. E esse texto foi a minha onda, não achei nada muito surreal mas achei muito interessante. Foi mal pelo texto gigante mas é isso ae, gosto de detalhes rs... mas sei que é muita coisa para digerir.
ah teve um detalhe, teve muitas horas quando eu estava de olhos abertos eu queria poder correr muito, parecia que eu tinha tomado muita cafeina, estava muito eletrico, mas se eu parava eu queria fechar os olhos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário